A onda de calor deste verão está batendo recordes e devastando a vida selvagem na Austrália. De acordo com o Escritório Australiano de Meteorologia, o último dia 24, por exemplo, bateu recorde de temperatura no estado da Austrália do Sul, com incríveis 49,5 graus Celsius. Mesmo acostumados com o calor, muitos animais não estão resistindo a essa temporada.

Nesse mesmo dia, guardas florestais do Central Land Council — órgão que representa 90 povos aborígenes do Território do Norte — encontraram 40 cavalos selvagens mortos e abateram outros 50 que agonizavam no leito de um pequeno lado que, pela primeira vez, segundo relatos de moradores, secou.

“Cavalos e outros animais selvagens estão morrendo de sede e fome porque muitas fontes confiáveis de água, como o Apwerte Uyerreme — onde os animais foram encontrados —, secaram na atual onda de calor”, informou o conselho, em comunicado.

E o número de animais mortos deve crescer caso o clima não dê uma trégua. De acordo com o conselho, foram localizados cerca de 120 cavalos, jegues e camelos morrendo de sede numa comunidade remota na mesma região. Eles também seriam abatidos, mas alguns moradores rejeitaram a ideia.

— Antes de um abate, é importante obter consentimento dos proprietários tradicionais das terras aborígenes que apoiamos — disse o diretor do conselho, David Ross. — Com a mudança climática sobre nós, a expectativa é que essas emergências aconteçam com cada vez mais frequência e ninguém está verdadeiramente preparado e com recursos para responder a elas.

Mais animais devem morrer caso o clima não dê uma trégua / Ralph Turner

Nesta terça-feira, dia 30, o conselho irá se reunir para discutir planos de manejo para os animais que estão sofrendo com o calor e para a remoção das carcaças.

No Rio Darling — o terceiro maior do país —, em Nova Gales do Sul, o calor extremo e a seca têm provocado queda na oxigenação da água, provocando a morte de “centenas de toneladas” de peixe em dois episódios entre dezembro e janeiro.

Em Adelaide, milhares de morcegos não suportaram o calor / Sue Westover

De acordo com o departamento local responsável pelo meio ambiente, o aquecimento da superfície do rio criou condições para a explosão na quantidade de algas, provocando a mortandade sem precedentes na região. Para tentar minimizar os danos, foram instalados aeradores para movimentar a água.

Em Adelaide, na Austrália do Sul, milhares de morcegos da espécie raposa-voadora de cabeça cinzenta começaram a cair mortos das árvores. No Jardim Botânico da cidade foram contados ao menos 1,5 mil animais mortos.

Deixe uma resposta

Por favor, escreva o seu comentário
Escreva o seu nome aqui